O Brasil e seu rim doente

Foto por Gratisography em Pexels.com

Podemos dizer que a história do Brasil se assemelha à de Ivan Ilitch, personagem do célebre escritor russo Leon Tolstói (1828-1910): “[…] das mais comuns e portanto das mais terríveis”. Incluo aqui incontáveis fatos recentes que têm deixado os brasileiros desnorteados e certamente se tornarão uma mancha indelével na nossa memória coletiva.

Tolstói publicou “A morte de Ivan Ilitch” em 1886, quando já era conhecido por grandes obras como “Guerra e Paz” e “Anna Karênina”. Em menos de 100 páginas, narra a história de um juiz que sente a morte se aproximando junto às dores agonizantes de uma doença que ele não sabe ao certo do que se trata.

O livro, inclusive, começa com o velório, mas volta no tempo para mostrar como o protagonista conhece a esposa e se muda para um apartamento, o qual começa a decorar de acordo com o seu gosto. Ivan, no entanto, cai e se fere na região do rim e, depois de um tempo, acredita ter contraído uma doença – nunca diagnosticada com precisão.

Quando o ferimento se agrava, Ivan não consegue mais sair de casa e imerge em uma série de reflexões. Percebe que sua vida é vazia e baseada em aparências. Foram poucos os momentos realmente significativos que vivera. O resto foi atuação social e comodismo.

Em meio aos tormentos da suposta doença, acredita que a família esconde dele seu verdadeiro estado de saúde: “O que mais atormentava Ivan Ilitch era o fingimento, a mentira, que por alguma razão eles todos mantinham, de que ele estava apenas doente e não morrendo e que bastava que ficasse quieto e seguisse as ordens médicas que ocorreria uma grande mudança para melhor. Mas ele sabia que nada do que eles fizessem teria outro resultado que não mais agonia, mais sofrimento e a morte. E a farsa desgostava-o profundamente: atormentava-o o fato de que se recusassem a admitir o que eles e ele próprio bem sabiam, mas insistiam em ignorar e forçavam-no a participar da mentira. Esse fingimento que se estabeleceu em torno dele até a véspera de sua morte, essa mentira que só fazia colocar no mesmo nível o solene ato de sua morte, suas visitas, suas cortinas, seu caviar para o jantar… eram-lhe terrivelmente dolorosos”. (Tradução de Vera Karam, L&PM, 1997)

Em outro trecho, o autodesenganado Ivan Ilitch desconfia do médico que o examina: “E aperta a mão de seu paciente e logo abandona o ar descontraído e começa com ar sério a examinar o paciente, sentindo o pulso e tirando a temperatura, auscultando-lhe e dando-lhe batidinhas. Ivan Ilitch sabe muito bem que isso tudo não passa de fingimento […]”.

Assim como o personagem russo, o Brasil agoniza. Com o vírus descontrolado, as cinzas do Pantanal e da Amazônia, as incertezas econômicas e sociais e as patifarias de sua classe política, a começar pelo presidente da República. Nesta semana, Bolsonaro desautorizou seu terceiro ministro da Saúde desde março – um general da ativa que ele efetivou no cargo a contragosto de muitos – ao cancelar a compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa. Assistimos a tudo isso impassivelmente, como se repetíssemos algumas das últimas palavras de Ivan Ilitch: “Vá em frente! Maltrate-me! Mas por quê? O que foi que eu fiz? Por que tudo isso?”.

Como a primeira cena do livro já revela, Ivan morre. Mas, em certa medida, morre uma pessoa melhor, após seus últimos instantes de vida dedicados a uma profunda autocrítica. Fazer autocrítica é quase sempre essencial quando queremos solucionar algum problema. Mas, no momento, talvez estejamos anestesiados demais para isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s