Pós-término

Foto por Polina Tankilevitch em Pexels.com

Quando você menos espera, o amor acaba. Numa boate lotada, numa rua deserta preenchida pelo som do vento; no quarto, enquanto você lê Paulo Mendes Campos; no banheiro, no momento em que você, com os olhos fechados, deixa a água levar embora o excesso de xampu do cabelo. Em qualquer lugar o amor pode acabar. Pior é quando você ainda ama e é avisado que o outro não te ama mais. A vida que existia em prol de ambos precisará ser descontinuada; agora será cada um na sua, trilhando o próprio caminho.

Em qualquer que seja o caso, a saudade baterá à porta por tempo indeterminado. A saudade te seguirá furtivamente pela rua, sem que você perceba; e estará escondida sob a cama, esperando para puxar-lhe o pé quando as luzes se apagarem e te botarem de frente com os próprios fantasmas.

Você poderá até querer manter a amizade, mas vai descobrir que é mais difícil do que imaginara. O orgulho ferido, a tristeza latejante, ou até mesmo os resquícios de afeto, não deixarão. Sentimentos são indisciplinados e, por mais maduros que sejam, vão sempre querer agir por conta própria.

Administrar a solidão também será complicado. Voltar a ir ao cinema sozinho, viajar sem a presença conhecida no assento ao lado, não ter para quem telefonar no fim do dia e extravasar o estresse do trabalho. A sensação será de algo faltando, melancólica em nível fúnebre. Por isso acho de suma importância manter as antigas amizades e companhias mesmo no auge da relação. Já escrevi sobre isso aqui. Muitas vezes, a solidão deixa de ser opção e passa a nos ser imposta em virtude de decisões erradas que tomamos. Nesses momentos, pensamos: “Poderia ter agido diferente”.

Mas esse momento também é oportunidade para buscarmos o autoconhecimento. Ao comentar a minha crônica anterior, um amigo disse que amar o primeiro que aparece é não sabermos quem de fato somos quando estamos sozinhos. Encarar os nossos defeitos e, ao mesmo tempo, reconhecer e valorizar as nossas qualidades (porque elas existem) é uma boa maneira de sair da fossa e se preparar para o próximo relacionamento. E, consequentemente, conduzi-lo com mais competência.

Crônica originalmente publicada no site bnews.com.br em 27 de março de 2017.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s